O CANTO DA MADEIRA

CLIQUE AQUI PARA DOWNLOAD DO ÁLBUM

 

CAPA O Canto da Madeira


OBRIGADO a meu pai Raffaele Puppi e minha mãe Maria Rosa, minhas irmãs Chiara e Ludovica, meu amor Suzana Nascimento; ai miei amici e compagni Emmanuele Pella, Maurino Dellacqua e Maurizio Verna; meus amigos e parceiros Cesinha, Marco Lobo, Fernando Caneca, Gastão Villeroy e Eugenio Dale por terem emprestado a propria arte; minha irmã Maria Gadú por sua arte e por ser sempre inspiradora; Gabriel Martau, Diogo Guedes e Thiago Big Rabello por terem emprestado ouvidos e técnicas; Mari Blue, Cláudia, Luana e João pelo apoio de sempre; Luis Felipe Couto, Lua Leça, Bruno Pimentel, Moema Eifler, Paulinho Barroso, Tiago Belo, Lancaster Pinto, Bianca Godoi, Fabio Jucá, Rodrigo Vidal, Bruno Piazza e equipe Partio, Suely Mesquita, Mikael Jan e Luciane Couto, Marcinho Nunes, André Hawk, Leandra e Sofia, Aline Mohamad, Raquel Alvarenga, Leandro Léo, Carlos Martau, Marco Nadir Branche, Adriano Coluccio e Viviana Zanardo, Luca De Marchi, Denis Dondeynaz, Raffaele Neda D’Anello e Leila Casareto, Luisa Gomes e Canteiro de Alfaces, Andrea Spada e seu ateliê, Mario Wamser, Matias Zibecchi; enfim, a Ricardo Augusto Simões e Ana Luisa pela generosidade e por terem acreditado neste projeto.

Muito obrigado a todos os apoiadores da campanha Partio: Erika Flores, Heloise Hamada, Xicão Sampaio, Luisa Motta Corrêa, Alessandro Chiorino, Chris Costa, Washington Lasmar, Sylvia Arcuri, Tony Alves, Renato Feller, José Fabio de Aguiar, Matias Zibecchi, Luis Paulo Borges, Nicole Assad, Paula Zendron Saia, Natalie Assad, Fernanda Ajzen, Vanessa Coimbra, Alejandra Ripamonti, Zerzil, Luana Couto, Renata Cavalcanti, Mari Blue, Fabio Zambroni, Marco Pigossi, Dandara, Moema Eifler, Valeria Albuquerque, Daniel Mazza, Fabio Papagno, Giselle Pio, Raquel Alvarenga, Bruno Piazza, Sheila Reis, Leticia Rocha, Luana Tonn, Anna Ratto, Odecio Gregio, Tatianna, Miriam Cabaretti Alves, Joana Mariani, Paula Pantalena, Gabriel Alterio, Suzana Nascimento, Lucas Arcuri, Tania Camões, Danilo Cerqueira, Bruna Machado, Paulo Dias Novaes Neto.

OUÇA O ALBUM


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

team-member

Sou Federico Puppi, compositor, violoncelista e produtor musical, natural da Itália. Cheguei no Brasil há três anos.
Comecei a tocar violoncelo aos 4 anos de idade (sim, existem violoncelos pequenininhos para crianças) e nunca mais parei. Posso dizer que tive a gigantesca fortuna de já saber o que eu queria fazer na vida, ainda criança. Exceto um breve período no qual eu queria ser vulcanólogo e viajar o mundo para estudar erupções vulcânicas, eu sempre quis tocar e fazer música.

Tive um percurso meio torto no mundo musical: comecei tocando música erudita - como Bach, Mozart, Beethoven - para depois, na adolescência, ser capturado pela sonoridade do punk-rock. Assim eu estudava música erudita no conservatório e secretamente tentava inserir esse instrumento antigo num mundo feito de guitarras elétricas, baixos com palhetas, amplificadores e baterias. Me diverti muito! Comecei a tocar com a minha primeira banda; tínhamos muitas músicas próprias, cada uma mais absurda que a outra.

Com 17 anos, ouvi pela primeira vez John Coltrane e Keith Jarret e me apaixonei pelo jazz: madrugadas de improvisações bravas, milhões de notas estranhas, acordes impossíveis, free jazz, Jaco Pastorius, pizzas na sala de ensaios, cervejas quentes italianas, vinhos e muita muita muita música! Comecei até a tocar em duo violoncelo-contrabaixo, experimentando todo tipo de som que surgisse na minha cabeça. Aprendi muitas coisas sobre amplificação e efeitos aplicados ao violoncelo. Me senti um pirata elétrico que brincava com a Madeira. Continuei meus estúdos clássicos, mas fiz uma pausa e fui a Barcelona estudar jazz e world music - experiência profunda e muito importante: aprendi que existem escolas de música moderna e professores incríveis, mas que o jazz pode ser tão careta quanto a música erudita... Voltei à Itália, concluí o conservatório, toquei com muitas orquestras, sinfonias, óperas, concertos etc.. . Mas isso ainda não me satisfazia. Chamei meus amigos músicos e, com muito orgulho, falei que queria formar uma banda e convenci todo mundo. Foi fantástico! As minhas músicas saíram da cabeça e da imaginação e se transformaram em músicas de verdade! E o público batia palmas; e a gente tocava em qualquer lugar possível. Qualquer.

Depois dessas experiências todas, chegou o Brasil. Peguei o violoncelo, o amplificador e uma mala com quatro camisetas, passagem na mão e me mudei para o Rio de Janeiro. Depois de um tempinho pra aprender o português, comecei a sair com esse case gigante nas costas pra ver shows, ouvir música, encontrar músicos e, quem sabe, tocar algumas coisas por aí. Não foi muito fácil no começo. Foi difícil saber pra onde ir com esse instrumento estranho. Mas, por muita sorte, encontrei pessoas incríveis. A primeira foi a Mari Blue: nos encontramos em uma roda de samba e decidimos fazer um duo violoncelo-voz. Fizemos arranjos de várias canções brasileiras e saímos tocando em todo e qualquer lugar. Qualquer. Tocando com ela num sarau, conheci outra pessoa incrível: do nada uma menina de óculos redondinhos apareceu do meu lado me xingando em italiano. Xinguei de volta e nos apresentamos: - Prazer. Maria. – Prazer. Federico. E comecei a tocar com ela e a sua banda formada por músicos maravilhosos por todo os cantos do Brasil e pela Europa. Fui tocar com ela até na Itália, mama mia! Em 2015 co-produzi junto com ela o disco ``Guelã``, muito elogiado pela critica musical e começamos uma nova tournée que nos levou até o famoso Montreux Jazz Festival.

Em 2015, depois de anos de espera, amadurecimento, esquecimento, entusiasmo e descobertas, nasce o meu primeiro disco ``O Canto da Madeira``.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em update

Shows Passados

03 Dec 2016 Marco Lobo São Paulo, São Paulo ( BR ) Jazz nos Fundos Jazz nos Fundos
02 Dec 2016 Federico Puppi - O Canto da Madeira São Paulo, São Paulo ( BR ) Jazz nos Fundos Jazz nos Fundos
17 Nov 2016 Mari Blue - Fruto da Flor Belo Horizonte , Mina Gerais ( BR ) Cine Teatro Vallourec Cine Teatro Vallourec
13 Nov 2016 Maria Gadú - Guelã São Paulo, BR Avenida Paulista SESI Avenida Paulista SESI
12 Nov 2016 Maria Gadú - Guelã São José dos Campos, BR
11 Nov 2016 Maria Gadú - Guelã Florianopolis, BR
10 Nov 2016 Maria Gadú - Guelã Brasilia, BR
05 Nov 2016 Maria Gadú - Guelã Porto Velho, BR
04 Nov 2016 Maria Gadú - Guelã Cuiabá, BR
28 Oct 2016 Maria Gadú - Guelã Madrid, SP Sala Changó Live Sala Changó Live
26 Oct 2016 Maria Gadú - Guelã Barcelona, SP Jamboree Dance Club Jamboree Dance Club
25 Oct 2016 Maria Gadú - Guelã Barcelona, SP Jamboree Dance Club Jamboree Dance Club
23 Oct 2016 Maria Gadú - Guelã London, GB Barbican Centre Barbican Centre
22 Oct 2016 Maria Gadú - Guelã Bruxelles La tentation La tentation
21 Oct 2016 Maria Gadú - Guelã Guimarães, PT Centro Cultural Vila Flor Centro Cultural Vila Flor
20 Oct 2016 Maria Gadú - Guelã Dublin Button Factory Button Factory
19 Oct 2016 Depois da Terceira Onda (Teatro) - Trilha Sonora Original - Estreia Rio de Janeiro, RJ ( BR ) Centro Cultura da Justiça Federal Centro Cultura da Justiça Federal
18 Oct 2016 Maria Gadú - Guelã Paris Cabaret Sauvage Cabaret Sauvage
16 Oct 2016 Maria Gadú - Guelã Zurich Moods Moods
06 Jul 2016 Federico Puppi - O Canto da Madeira Rio de Janeiro, RJ Teatro Sergio Porto Teatro Sergio Porto

Seu nome (required)

Seu email(required)

Objeto

Escreva sua mensagem

Federico Puppi utiliza equipamentos Shertler Acoustic

shertler logo qhite